f

g+

TECNOLOGIA / GOOGLE

MATERIAL DESIGN. O DESIGN EM MOVIMENTO DO GOOGLE.

Neste mês de Julho em seu maior evento anual: o Google I/O, a GOOGLE apresentou diversas novidades: um novo ANDROID TV ( que irá substituir o Google TV), o ANDROID AUTO para concorrer com o iCar da Apple, o ANDROID WEAR para gadgets vestíveis: smart watch, smart glass e smart qualquer coisa que você queira vestir. Porém, a maior novidade foi o novo design de interface que irá unificar isso tudo: o MATERIAL DESIGN.

Pessoalmente eu chamaria de MOTION DESIGN, pois trata-se de dar movimento de transições ao seco FLAT DESIGN que passou a dominar as interfaces de sistemas operacionais, aplicativos e web sites.

O FLAT DESIGN trouxe uma limpeza e objetividade a esses sistemas, mas perdeu muito do efeito de realidade que o esqueumorfismo ( design de interface que imita objetos reais ) trazia para os usuários se adaptarem melhor ao sistema.

O Motion De.. digo:  o MATERIAL DESIGN! Trouxe vida ao Flat Design dando movimento, peso e propósito na hora de interagir com seu GADGET.

 

CARLOS DIAS- 15 / 02 / 2014

A equipe de design do GOOGLE liderada, pelo seu designer chileno com nome de brasileiro: MATIAS DUARTE, vem fazendo uma competente e trabalhosa unificação de design do ANDROID.

Falo isso por que como desenvolvedor de aplicativos, trabalhar para ANDROID é uma tarefa pra lá de hercúlea, são diversos tipos de ANDROIDS para centenas de celulares e tablets, cada um com um tamanho de tela e soma-se a isso, agora com TVS, relógios, carros e óculos para ter uma idéia de como a coisa se complica.

Matias chamou de MATERIAL DESIGN o novo guideline que vai facilitar a vida de quem desenvolve para ANDROID.

O FIM DO PASSE DE MÁGICA

Na apresentação no GOOGLE I/O, Matias Duarte fez a pergunta: se um programa fosse um objeto como ele se comportaria? Ele simplesmente apareceria e desapareceria como um passe de mágica? ou entraria em um movimento contínuo e fluído, como se tivesse caindo na sua tela?

Foi para responder esta pergunta que sua equipe criou uma série de guide lines, da forma como deve se comportar a interface do seu aplicativo respeitando peso, movimento, queda, aceleração, ação e iluminação.

É a primeira vez que alguém dita regras de design para a animação do seu aplicativo! É o design em movimento!

Além das regras de layout, as regras de movimento vão não só ajudar a adaptar seu aplicativo aos inúmeros devices como facilitar a vida do usuário, daí sua fundamental importância.

AS LEIS DA FÍSICA VIRTUAL SEGUNDO O GOOGLE

Para melhor explicar o conceito do MATERIAL DESIGN o Google lançou um excelente site (apenas em inglês), com todo o guide line para o desenvolvedor. Segue abaixo as principais regras (traduzidas) para aplicar no design do seu aplicativo:

CONCEITO:

O material aqui é uma metáfora de como deve se comportar o design do seu aplicativo, baseado em uma realidade tátil, aliado a movimentos e iluminação que respeitam as leis da física, porém sem perder a magia e a flexibilidade dos avanços tecnológicos. Traduzindo: objeto com movimento e interatividade. Como você pode conferir no vídeo abaixo:

UMA ANIMAÇÃO AUTÊNTICA QUE RESPEITA MASSA E PESO

Movimento no mundo do design material não é apenas um efeito bonito, mas algo que dá significado ao objeto determinando sua massa, peso e função. Tudo de forma natural e harmônica.

INTERAÇÃO RESPONSIVA

No design material os aplicativos devem despertar a atenção do usuário através de uma reação de sua superfície, produzindo uma resposta sensitiva e despertando  sua curiosidade e encantamento.

Reação da superfície

Resposta Material

Acão Radial

TRANSIÇÕES SIGNIFICATIVAS

No design em movimento, as transições da animação devem ser coerentes, sem confundir o usuário e sim direcionando-o a fazer a ação correta através dos seguintes conceitos:

Continuidade Visual: o objeto deve ter uma transição continua ao ser acionado e não apenas aparecer e desaparecer como num passe de mágica.

Hierarquia no timing: imagine uma timeline ao fazer uma animação, onde você tem que determinar o inicio e o fim do movimento seguindo uma sequencia.

Coreografia consistente: o movimento deve ser organizado seguindo um mesmo sentido para não confundir o usuário.

 

MOVIMENTO NOS DETALHES

E por fim os detalhes: cada botão, seta, ícone ou elemento de informação pode ter uma animação própria encantando o usuário e chamando sua atenção para interagir com o aplicativo.

Bem isso é uma amostra do que o design em movimento pode fazer para o visual do seu aplicativo

Lembrando que a Microsoft tem trabalhado seu FLAT DESIGN com movimento bem antes do GOOGLE, com Windows Phone e Windows 8, porém o Google saiu na frente ao criar um guideline para orientar os designers de interface, se apropriando do motion design.

Alôoo Apple ! Jonny Ive!! tá atrasada hein?

 

FONTE :  GOOGLE

  • COMENTÁRIOS

    CLIQUE PARA AMPLIAR

    comments powered by Disqus